Aguarde, carregando...

Prisão de Milton Ribeiro atinge base de apoio e desmonta estratégias eleitorais de Bolsonaro

Nos bastidores, o QG da reeleição admite que o desgaste será grande, principalmente pela exploração, durante a campanha, de falas de apoio a Ribeiro de Bolsonaro.

Por Redação Correio do Bico

22/06/2022 10:04h

A prisão do ex-ministro Milton Ribeiro nesta quarta-feira (22) tem potencial para desmontar uma das principais estratégias eleitorais do presidente Bolsonaro (PL): o discurso de que no governo dele não há corrupção.
  
Na avaliação de fontes do governo ouvidas pelo blog, a linha de defesa pública vai ser repetir que Ribeiro não estava mais no governo e que, se houve ilícito, foi um "voo solo". A ideia de tirar Milton Ribeiro da pasta era exatamente "isolar" o problema. No entanto, nos bastidores, o QG da reeleição admite que o desgaste será grande: principalmente pelo que chamam de "exploração" de falas de apoio a Ribeiro de Bolsonaro – como a de que ele colocaria "a cara no fogo" por Ribeiro – durante a eleição.

Milton Ribeiro foi indicado para a vaga por Bolsonaro como gesto ao segmento evangélico – mas, por não atender pleitos de parlamentares, a bancada passou a dizer que ele não representava o segmento.

Ministros do governo tentam circunscrever as investigações da Polícia Federal a um suposto favorecimento de Ribeiro por meio de universidades, como se fosse um ato isolado, sem relação com o governo. A informação, relatada ao blog por fontes do governo, já indica a linha de defesa do Planalto para se afastar da prisão de Ribeiro.

O efeito da prisão de Ribeiro foi classificado ao blog, por um dos integrantes do QG da reeleição de Bolsonaro, como um “tsunami a 100 dias da eleição na principal bandeira eleitoral do presidente”.

Desde cedo, aliados do presidente trabalham para ajudar juridicamente Ribeiro, tentando escalar advogados criminais e em busca de informações e detalhes sobre o motivo da prisão.

E já alinharam a defesa do ex-ministro: segundo relatos de assessores de Bolsonaro, a estratégia é reforçar que Ribeiro teria recebido um depósito – na conta de sua mulher – no valor de cerca de R$ 50 mil.

Na versão de assessores do governo, o depósito se trataria do pagamento de um carro – uma Ecosport.

Há diferentes versões para quem teria efetuado o depósito: integrantes do governo dizem que teria sido de uma universidade. Outros, de que seria de um dos pastores envolvidos.
De uma forma ou de outro, o discurso de defesa já está montado para tentar isolar o escândalo da campanha.

O presidente da frente parlamentar evangélica, Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), disse ao blog nesta quarta-feira (22) que sempre defendeu "cadeia" se houvesse ilícitos envolvendo o ex-ministro Milton Ribeiro e que, para ele, a prisão é "boa notícia" para o segmento evangélico.

"Eu sempre disse isso: se tiver ilícito, que se afaste, apure e cadeia. Para nós, evangélicos, é uma boa notícia a punição".

Sóstenes é aliado do governo e pressionou pela saída de Ribeiro, comanda uma bancada de quase 130 parlamentares, entre senadores e deputados.

Bolsonaro conta o segmento como uma de suas bases eleitorais. Para Sóstenes, a notícia de prisão de Milton Ribeiro é um "desgaste eleitoral" para o governo. "Sem dúvida, um desgaste eleitoral para o governo". (G1)